banner

 

Aurélio Monteiro dos Santos

006418
Data da primeira prisão

Aurélio Santos nasceu em Vilar de Torpim, no concelho de Figueira de Castelo Rodrigo, distrito da Guarda, em 1930, filho de José dos Santos e de Maria Amélia Monteiro dos Santos. Desde muito jovem participou na luta antifascista. De 1950 a 1953 foi dirigente associativo estudantil e de 1951 a 1957 dirigente do MUD Juvenil. Como estudante da Faculdade de Medicina de Lisboa, cujo curso frequentou até ao 4º ano, participou ativamente no movimento estudantil e integrou a direção da revista Medicina (1952/1953).
Foi preso em 1953, na sequência da sua militância no Movimento de Unidade Democrática Juvenil. Por ocasião da realização do 3.º Festival Mundial da Juventude e dos Estudantes, realizado na Roménia (1953), o MUD Juvenil organizou a ida de uma delegação a Bucareste e Aurélio Santos integrou-a, chefiando-a. (Representou também o MUD Juvenil no Congresso da União Internacional dos Estudantes – UIE). O Festival foi em agosto e, no regresso, ainda prosseguiu estudos e atividades associativas, mas em 03-12-1953 foi preso, na sequência das informações de um agente da PIDE infiltrado no Festival, levado para o Aljube e depois para Caxias, em 07-12-1953. Castigado com 10 dias de prisão em cela disciplinar, foi transferido de novo para o Aljube em 26-01-1954, regressando a Caxias em 05-02-1954.
Durante essa permanência em Caxias, participa com os seus companheiros de cela na criação do Hino de Caxias.
Em 04 de agosto desse ano é transferido para as “prisões privativas da Subdirectoria do Porto”, onde será punido com a pena de 30 dias de prisão em cela disciplinar, “demonstrando claramente espírito de rebeldia e desobediência”.
Em 07-11-1954, é de novo transferido para o Depósito de Presos de Caxias, vindo a ser condenado no Tribunal Plenário de Lisboa, em 25-01-1955, na pena de 4 meses de prisão correccional e em igual tempo de multa a 20$oo por dia – considerando o dito tribunal “uma e outra expiada com a prisão sofrida”, aplicando ainda uma pena de suspensão de todos os direitos políticos por 8 anos e uma “medida de segurança de liberdade vigiada” pelo prazo de 4 anos, além de mil escudos de imposto mas é restituído à liberdade nesse mesmo dia 25 de janeiro.
Nesse ano aderiu formalmente ao PCP, passando à clandestinidade em 1957. 
De 1963 a 1974 dirigiu a Rádio Portugal Livre, que emitia em onda curta a partir de Bucareste, na Roménia.
Entretanto, em 1965, no VI Congresso do PCP, realizado em Kiev, Aurélio Santos passou a integrar o respetivo Comité Central.
Regressou do exílio em 15 de maio de 1974, vindo da Roménia.